Arquivo mensal: fevereiro 2011

Gestão de Crises em Redes Sociais

Ontem a noite, na Universidade Anhembi Morumbi, assisti a uma palestra da Martha Gabriel sobre gestão de crises nas redes sociais. Uma palestra muito interessante e estimulante (tanto que cheguei em casa e já estou escrevendo sobre) que abordou a gestão de crises das organizações (e até de pessoas) e a maneira de lidar com isso nas redes sociais. A principal lição que pode ser tirada de uma palestra dessa é que as organizações devem, tentar evitar ao máximo as crises (lógico), mas quando acontecer, ter calma para resolver e ser honesto e humilde com o seu público.

“Crise só é crise se houver necessidade de mudança na organização!”

A Martha citou alguns cases de crises e eu fui atrás deles. Alguns eu já conhecia, outros não. Segue aí para vocês verem:

Leandro (Garoto do RJ) x Lula x Sérgio Cabral (2009)

Um garoto de 17 anos, na época, foi ao encontro de Lula (então presidente do Brasil) e Sérgio Cabral (então governador do RJ). O garoto faz alguns questionamentos e pediu explicações sobre área de esportes. Quando fala da piscina, afirma que esta não abre para a população. Sérgio Cabral não sabia e Lula fica preocupado com o impacto poítico de uma possível veiculação disso na mídia. Após isso, Leandro fala sobre acordar com o “caveirão” na rua de sua casa e recebe respostas mais ásperas do então, Governador do RJ. (vou tentar não fazer mais nenhum juízo de valor sobre o vídeo). Assistam:

Twix (2010)

Quem não se lembra da ação promovida para a marca de chocolate Twix onde haveria um dia em que uma chuva de twix iria cair sobre a região da Paulista, em São Paulo? Na ocasião, os canhões que seriam responsáveis por jogar os chocolates para o alto não tinham força suficiente para tal e somente papel picado foi jogado ao céu. A ação rendeu muitos comentários negativos à marca. Uma crise:

Brastemp (2010)

O sr. Boreli (acredito ser esse o nome dele) enfrentou um “perrengue” com sua geladeira Brastemp. Há mais de três meses o sr. Boreli está sem geladeira (e teve de passar Natal e Ano Novo nessa condição). Tentou de todas as formas entrar em contato com a empresa e, depois de várias visitas técnicas, várias ligações, NINGUÉM resolveu o problema dele. Ele afirma que vai entrar (ou já entrou) na justiça contra a empresa (Brastemp) e fez esse vídeo para contar sua historia e mostrar sua indignação:

United Airlines (2009)

David Carrol, viajando pela Unites Airlines, teve sua guitarra quebrada na “acomodação” da bagagem. Após muitas tentativas de que a empresa fizesse o reembolso, e sempre recebendo respostas negativas, David fez uma música para explicar todo o ocorrido e deixar claro como a companhia aérea “cuida” da bagagem dos passageiros e como trataram David na condução do caso. Ou seja, crise:

Como a Martha disse, as empresas estão com medo. Para esses casos, planejamento, calma, humildade e honestidade. Essas são as lições que as empresas devem aprender com as redes sociais. Sigam a @marthagabriel

Guerra fiscal contra e-commerce (Parte 2)

Eu já havia colocado aqui sobre a notícia veiculada no Blog do E-commerce, não é? Pois bem, um novo capítulo foi adicionado a essa história: A B2W entrou na justiça e conseguiu uma liminar para não pagar o duplo tributo da Bahia e está indo à justiça contra os estados que estão cobrando tributação duplicada. A câmara de comércio eletrônico vai entrar na briga também contra esse abuso de dupla tributação.

O que eu sabia que ia acontecer, aconteceu: depois do caso da Bahia, vários outros estados anunciaram uma nova cobrança do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Continuo com a mesma revoltada opinião: VÃO OFERECER INFRA-ESTRUTURA PARA AS EMPRESAS COMPETIREM NA INTERNET!

E vamos aguardar cenas do próximo capítulo…

Fonte: Blog do E-commerce

Caos!

Excepcionalmente este post vai ao ar no dia de hoje. Porque? Por causa de ontem, 18/02/2011. O que aconteceu de tão terrível? CHUVA! Ah, mas isso é mais do que corriqueiro, não? Sim, verdade. Mas vamos aos fatos:

Por volta das 16h, em São Paulo, a forte chuva dessa sexta-feira quase me pegou. Tive de correr até em casa para não ser pego. Qual detalhe agravante: granizo (parece que não é a primeira vez que acontece, mas é a primeira vez que presenciei). Estalos nas janelas da minha casa. Era pequenas pedras de gelo que tomaram a cidade de assalto. E como é de costume, a cidade para, ruas alagam, trânsito fica caótico e por aí vai. Confiram algumas imagens (via G1):

Por volta das 16h, em Belém, uma forte chuva também se abateu sobre a cidade. Quando acessei o twitter a TL paraense estava a “mil por hora” informando sobre a chuva torrencial que caia sobre a cidade. Adivinhem o que acontece? Cidade para, ruas alagam, trânsito fica caótico e por aí vai. (Que coisa, não?). Confiram algumas imagens (via twitter):

 

As chuvas foram noite adentro e transformaram a cidade em um verdadeiro caos. Ainda por cima tivemos mais dois outros incidentes: 1) o vazamento de gás de um navio no porto de Miramar que deixou vários bairros da cidade com um odor forte de gás e; (2) um avião da Gol (Até o momento, um diretor da Gol se pronunciou no twitter e disse que era de outra companhia e não da Gol) que, ao pousar, furou o pneu e atravessou a pista por ter sofrido aquaplanagem. (Eu hein! Alguém dá um banho de sal grosso nessa cidade?)

Em Belém temos um serviço, via twitter, que já é imprescindível para a troca de informações entre as pessoas. Principalmente em uma situação como essas de verdadeiro caos. O serviço em questão é o @belemtransito. Um serviço colaborativo onde as pessoas tuitam para esse perfil e este se encarrega de repassar as informações a todos seus seguidores. Como disse, já se tornou imprescindível. Eu, daqui de São Paulo, pude acompanhar as milhares de mensagens que o @belemtransito repassava a todos. O @belemtransito criou a tag #btcaos para que as pessoas pudessem enviar suas informações utilizando essa tag. Tag essa que alcançou o 1º lugar nos TT’s do Brasil (infelizmente uma tag sobre caos).

Fora o caos que se instalou na cidade e o excelente trabalho da equipe do @belemtransito, meu objetivo com esse post não é esse. Meu objetivo é mostrar o quão ruim estão nossas cidades para enfrentar chuvas (Nossa, isso porque nem chove no Brasil, não é?). Falta claríssima de preparo da administração pública para atuar em situações como essa e é lógico, falta claríssima de educação de parte da população que joga entulhos em canais que “ajudam” a piorar a situação em casos, como esses, de chuvas fortes.

Muito deve ser feito. Desde campanhas maciças de educação ambiental para a conscientização da população, passando por melhoria na infra-estrutura das cidades e chegando na própria administração pública. BORA TRABALHAR MEU POVO!

Guerra fiscal contra e-commerce.

Olha que beleza. Que beleza de país. Quando temos a oportunidade de melhorar os serviços das empresas, de incentivar a competitividade e, em razão disso, motivar a evolução das organizações, damos um passo atrás. No blog do E-commerce está veiculada a notícia de que o estado da Bahia irá tributar em 10% os produtos que forem comprados pela internet. O que isso significa? Que os consumidores irão pagar 10% a mais pelos produtos, caso queiram comprar pela internet. A alegação para a tributação é de que a concorrência é desleal. AH VÁ!….

A SEFA/BA já oficializou a alíquota desde 1º de fevereiro de 2011 com o argumento de que perdeu mais de R$ 80 milhões em arrecadação de impostos devido as compras feitas pela internet. Outros estados que não possuem empresas com e-commerce provavelmente vão aderir a essa prática. ORA, incentivem as empresas locais a praticarem e-commerce, ofereçam infra-estrutura para que elas possam competir também na internet, parem de andar com dinheiro na cueca, apliquem os impostos em serviços para a sociedade e vamos parar de nos retrancar em nossos casúlos…

Pela revolta, troquei o “perguntinha de sexta” por esse post. Volta semana que vem.

Quem realmente perdeu com a aposentaria do Ronaldo?

Começamos a semana com a notícia triste da parada do maior goleador de copas do mundo. De um craque, e por todo o contexto de vida, de um fenômeno. Sim, Ronaldo!

Vocês estão achando que o próprio Ronaldo perdeu em se aposentar? Que ele vai deixar de ganhar dinheiro por não estar mais na ativa? Que vai deixar de ganhar por não mais fazer gols? Meu amigo, você está redondamente (sem piadinhas com o fenômeno, ok?) enganado. O Ronaldo possui um contrato vitalício com a Nike (que por sí só já deve ser suficiente para sustentá-lo confortavelmente), fora outros contratos que ele deve ter.

Quem realmente perdeu com a saída do Ronaldo foi o Corinthians. O presidente deve ter chorado muito quando soube do anúncio da aposentadoria do maior goleador de copas do mundo. Na edição da Exame do dia 26/01/2011 mostra que o clube paulista foi um dos clubes que mais lucraram (em milhões de euros)  no futebol mundial. Vejam bem, MUNDIAL! Deem uma olhada na lista abaixo:

Manchester United – 23,6 milhões de euros

Liverpool – 23,6 milhões de euros

Real Madrid – 23 milhões de euros

Corinthians – 22 milhões de euros

Bayern Munich – 22 milhões de euros

Chelsea – 16,3 milhões de euros

O clube paulista figura entre os maiores clubes do mundo quando o assunto foi lucro (em milhões de euros). Claro que a crise econômica teve um impacto negativo na lucratividade dos times europeus, mas pode-se colocar, com toda a certeza absoluta, que o fenômeno teve um impacto mais do que positivo nessa lucratividade corinthiana. E agora? Quem é que realmente vai chorar pela aposentadoria do fenômeno?

Pergunta da sexta:

O que você faz para estar melhor qualificado que outro profissional do mercado?

Profissionalização

Lendo o artigo da HSM sobre profissionalização das empresas fiz algumas reflexões que já havia feito em outros tempos e parece-me que não mudei de pensamento. Investidores procuram por empresas que tenham potencial de crescimento e que possam, a médio e /ou longo prazo, lhe dar um retorno satisfatório do valor investido alí por ele. Geralmente empresas de porte médio estão nessa fase de receper aportes de investidores e crescer cada vez mais.

A reflexão que sempre fiz sobre o tema e que ainda  faço é sobre as pequenas empresas, sobre os empreendedores que não querem se profissionalizar, das pessoas que acham que se profissionalizar é perda de tempo (sim, ainda existem pessoas que pensam assim), dos ditos “profissionais” que são mais amadores do que outra coisa. ATENTEM-SE PARA AS MUDANÇAS DO MERCADO.

 

< O tio da quitanda aí do lado também precisa se profissionalizar