Que espécie de homem sou

É necessário agora que eu diga que espécie de homem eu sou. Meu nome, não importa, nem qualquer outro pormenor exterior meu próprio. Devo falar de meu caráter.

A constituição inteira de meu espírito é de sinceridade e bondade. Nada é ou pode ser negativo para mim; o que oscila em torno de mim é uma certeza para comigo mesmo. Uma certeza que ora vai, ora volta. Tudo para mim é coerência e evolução. Tudo é mistério e tudo está cheio de significado. Todas as coisas são ˜desconhecidas”, simbólicas do Desconhecido. Em consequência, o amor, o mistério, o medo por demais inteligente.

Pelas minhas próprias tendências naturais, pelo ambiente que me cercou a infância, pela influência dos estudos realizados sob impulso delas (dessas mesmas tendências), por tudo isso meu caráter é da espécie interiorizada, concentrada, muda, por vezes não auto-suficiente e por vezes perdido em si mesmo. Toda a minha vida tem sido de passividade e sonho, por hora um tantinho de impulsividade para atiçar os sonhos. Todo o meu caráter consiste na bondade, na sinceridade, na capacidade que invade tudo o quanto em mim existe, física e mentalmente, para atos decisivos, para pensamentos definidos. Nunca tive uma decisão nascida sem a mistura de 40% razão e 60% coração, nunca uma denúncia exterior de uma vontade consciente. Todos os meus escritos, que são poucos, foram acabados; sempre novos pensamentos davam “asas” a novos escritos, associações de ideias extraordinárias e inexcluíveis, de término infinito. Não posso evitar o amor que têm meus pensamentos de ir até o fim; a respeito de uma simples coisa, surgem dez mil pensamentos e milhares de interassociações com esses dez mil pensamentos e não tenho vontade de eliminá-los ou detê-los, e sim reuní-los em um pensamento central, onde os seus pormenores sem importância mas associados não devem se perder.

Introduzem-se em mim; não são pensamentos meus, mas pensamentos que passam através de mim. Pondero um pouco, mas sonho muito mais; me sinto inspirado, deliro. Não sei pintar e nunca pintei, não sei compor música e nunca compus. Estranhas concepções em três artes, amáveis afagos de imaginação acariciam meu cérebro; não os deixo ali, dormitando até que morram, pois tenho o poder de corporificá-los, de torná-los coisas do mundo exterior.

O caráter de minha mente é tal que ama o começo e os fins das coisas, porque são pontos definidos. Aflige-me a ideia de que não se descobrir uma solução para os mais altos e mais nobres problemas de ciência e filosofia; horroriza-me a ideia de que algo não pode ser determinado por Deus ou pelo mundo. Enlouquece-me a ideia de que as coisas mais momentosas não possam realizar-se, de que os homens não pudessem ser felizes um dia, de que não encontrasse uma solução para os males da sociedade, nas suas concepções. Portanto, não sou mau nem cruel; sou louco e isso dum modo difícil de conceber.

Embora não tenha sido um leitor voraz e ardente, lembro de alguns livros que tenha lido a tal ponto eram minhas leituras estados de minha própria mente, sonhos meus, e mais ainda provocações de sonhos. Minha própria recordação de acontecimentos, de coisas exteriores, é completa, e sempre coerente. Estremeço ao pensar quão conservo em mente do que tem sido minha vida passada. Eu, o homem que afirma que o hoje é um sonho, sou mais do que uma coisa de hoje.

Adaptado de Fernando Pessoa.

Anúncios

Sobre Maick Costa

Stay hungry, stay foolish

Publicado em 11/03/2011, em My stories e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Flávia Santana

    Leio e absorvo essas palavras como alimento de alma, migo…que bom saber que seu estado de espírito é bem maior que qualquer circunstancia. O post está maravilhoso.

Comentaê

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s