Arquivo da categoria: My stories

Esforço e conquista

Noites mal dormidas, noites sem dormir, noites sem sair de casa, noites em claro à frente do computador, noites em claro estudando, noites regadas à café, noites sem família, noites sem namorada, noites sem amigos, noites que “varam” a madrugada, noites que viram dia, e no dia, as noites de esforço se transformam em conquista.

Objetivos

Quando você traça seus objetivos, quais são os próximos passos a se seguir? O que você faz? Por onde começa? Quais caminhos seguir? Fica paralisado? Sai em disparada? Para? Pensa? O que deve ser feito? Como devemos nos comportar? Onde nos amparar? Em quem confiar? Porque isso e não aquilo? Porque aquilo e não isso? Como cair? Como levantar?

Não sei se é A resposta, mas é uma resposta que me dou quando essas perguntas me vem a mente: trace seus objetivos, enfrente seus obstáculos, e vá em busca do sucesso.

Carros de corrida

No domingo, em uma volta pela Paulista, adentrei o Conjunto Nacional com a intenção de ir na livraria Cultura que naquele momento se encontrava fechada. Mas no Hall do Conjunto Nacional havia uma exposição se preparando para iniciar. Uma exposição de carros de corrida antigos. Tirei fotos de todos os carros que estavam lá, inclusive da Jordan do Barrichelo (1994), capacetes utilizados pelo Senna e um utilizado pelo Shumi. Muito legal, confiram! Eu gostaria de ter pelo menos um desses carros na minha garagem. Já imaginaram? :p

Este slideshow necessita de JavaScript.

Que espécie de homem sou

É necessário agora que eu diga que espécie de homem eu sou. Meu nome, não importa, nem qualquer outro pormenor exterior meu próprio. Devo falar de meu caráter.

A constituição inteira de meu espírito é de sinceridade e bondade. Nada é ou pode ser negativo para mim; o que oscila em torno de mim é uma certeza para comigo mesmo. Uma certeza que ora vai, ora volta. Tudo para mim é coerência e evolução. Tudo é mistério e tudo está cheio de significado. Todas as coisas são ˜desconhecidas”, simbólicas do Desconhecido. Em consequência, o amor, o mistério, o medo por demais inteligente.

Pelas minhas próprias tendências naturais, pelo ambiente que me cercou a infância, pela influência dos estudos realizados sob impulso delas (dessas mesmas tendências), por tudo isso meu caráter é da espécie interiorizada, concentrada, muda, por vezes não auto-suficiente e por vezes perdido em si mesmo. Toda a minha vida tem sido de passividade e sonho, por hora um tantinho de impulsividade para atiçar os sonhos. Todo o meu caráter consiste na bondade, na sinceridade, na capacidade que invade tudo o quanto em mim existe, física e mentalmente, para atos decisivos, para pensamentos definidos. Nunca tive uma decisão nascida sem a mistura de 40% razão e 60% coração, nunca uma denúncia exterior de uma vontade consciente. Todos os meus escritos, que são poucos, foram acabados; sempre novos pensamentos davam “asas” a novos escritos, associações de ideias extraordinárias e inexcluíveis, de término infinito. Não posso evitar o amor que têm meus pensamentos de ir até o fim; a respeito de uma simples coisa, surgem dez mil pensamentos e milhares de interassociações com esses dez mil pensamentos e não tenho vontade de eliminá-los ou detê-los, e sim reuní-los em um pensamento central, onde os seus pormenores sem importância mas associados não devem se perder.

Introduzem-se em mim; não são pensamentos meus, mas pensamentos que passam através de mim. Pondero um pouco, mas sonho muito mais; me sinto inspirado, deliro. Não sei pintar e nunca pintei, não sei compor música e nunca compus. Estranhas concepções em três artes, amáveis afagos de imaginação acariciam meu cérebro; não os deixo ali, dormitando até que morram, pois tenho o poder de corporificá-los, de torná-los coisas do mundo exterior.

O caráter de minha mente é tal que ama o começo e os fins das coisas, porque são pontos definidos. Aflige-me a ideia de que não se descobrir uma solução para os mais altos e mais nobres problemas de ciência e filosofia; horroriza-me a ideia de que algo não pode ser determinado por Deus ou pelo mundo. Enlouquece-me a ideia de que as coisas mais momentosas não possam realizar-se, de que os homens não pudessem ser felizes um dia, de que não encontrasse uma solução para os males da sociedade, nas suas concepções. Portanto, não sou mau nem cruel; sou louco e isso dum modo difícil de conceber.

Embora não tenha sido um leitor voraz e ardente, lembro de alguns livros que tenha lido a tal ponto eram minhas leituras estados de minha própria mente, sonhos meus, e mais ainda provocações de sonhos. Minha própria recordação de acontecimentos, de coisas exteriores, é completa, e sempre coerente. Estremeço ao pensar quão conservo em mente do que tem sido minha vida passada. Eu, o homem que afirma que o hoje é um sonho, sou mais do que uma coisa de hoje.

Adaptado de Fernando Pessoa.

Caos!

Excepcionalmente este post vai ao ar no dia de hoje. Porque? Por causa de ontem, 18/02/2011. O que aconteceu de tão terrível? CHUVA! Ah, mas isso é mais do que corriqueiro, não? Sim, verdade. Mas vamos aos fatos:

Por volta das 16h, em São Paulo, a forte chuva dessa sexta-feira quase me pegou. Tive de correr até em casa para não ser pego. Qual detalhe agravante: granizo (parece que não é a primeira vez que acontece, mas é a primeira vez que presenciei). Estalos nas janelas da minha casa. Era pequenas pedras de gelo que tomaram a cidade de assalto. E como é de costume, a cidade para, ruas alagam, trânsito fica caótico e por aí vai. Confiram algumas imagens (via G1):

Por volta das 16h, em Belém, uma forte chuva também se abateu sobre a cidade. Quando acessei o twitter a TL paraense estava a “mil por hora” informando sobre a chuva torrencial que caia sobre a cidade. Adivinhem o que acontece? Cidade para, ruas alagam, trânsito fica caótico e por aí vai. (Que coisa, não?). Confiram algumas imagens (via twitter):

 

As chuvas foram noite adentro e transformaram a cidade em um verdadeiro caos. Ainda por cima tivemos mais dois outros incidentes: 1) o vazamento de gás de um navio no porto de Miramar que deixou vários bairros da cidade com um odor forte de gás e; (2) um avião da Gol (Até o momento, um diretor da Gol se pronunciou no twitter e disse que era de outra companhia e não da Gol) que, ao pousar, furou o pneu e atravessou a pista por ter sofrido aquaplanagem. (Eu hein! Alguém dá um banho de sal grosso nessa cidade?)

Em Belém temos um serviço, via twitter, que já é imprescindível para a troca de informações entre as pessoas. Principalmente em uma situação como essas de verdadeiro caos. O serviço em questão é o @belemtransito. Um serviço colaborativo onde as pessoas tuitam para esse perfil e este se encarrega de repassar as informações a todos seus seguidores. Como disse, já se tornou imprescindível. Eu, daqui de São Paulo, pude acompanhar as milhares de mensagens que o @belemtransito repassava a todos. O @belemtransito criou a tag #btcaos para que as pessoas pudessem enviar suas informações utilizando essa tag. Tag essa que alcançou o 1º lugar nos TT’s do Brasil (infelizmente uma tag sobre caos).

Fora o caos que se instalou na cidade e o excelente trabalho da equipe do @belemtransito, meu objetivo com esse post não é esse. Meu objetivo é mostrar o quão ruim estão nossas cidades para enfrentar chuvas (Nossa, isso porque nem chove no Brasil, não é?). Falta claríssima de preparo da administração pública para atuar em situações como essa e é lógico, falta claríssima de educação de parte da população que joga entulhos em canais que “ajudam” a piorar a situação em casos, como esses, de chuvas fortes.

Muito deve ser feito. Desde campanhas maciças de educação ambiental para a conscientização da população, passando por melhoria na infra-estrutura das cidades e chegando na própria administração pública. BORA TRABALHAR MEU POVO!

Incentivo à leitura

Incentive seus filhos à leitura. Leia junto com eles. Não sabem o bem que farão à eles. Ler é a base para todo o desenvolvimento da pessoa e as possibilidades para quem gosta de ler são infinitas. O meu incentivo à leitura, dado pela minha mãe, foi pelos gibis da turma da Mônica, do Maurício do Sousa. Adorava as histórias e tinha caixas e mais caixas de gibis. Seção nostálgica:

O que é um pensamento?

O que é um pensamento? Além da resposta biológica que acredito estar situada na definição de conexões das sinapses do nosso cérebro, me vem a mente esse questionamento: o que é um pensamento? Uma força que nos impulsiona? Que nos faz gritar sem ser ouvido? Chorar sem transparecer para ninguém? Viajar sem sair do lugar? Navegar sem maré? Sonhar?

No meu dia-a-dia já me peguei parado, só pensando, sem fazer nada, viajando, sonhando, dando asas a minha imaginação, vivendo em outro mundo, utópico, desejável, perfeito ou somente refletindo os fatos do cotidiano, da minha vida, do meu mestrado, dos meus amigos, da minha família. Me pego parado pensando quando estou em casa, tomando banho, me arrumando, andando pelas ruas, almoçando, escutando música, no ônibus, no metrô e em muitas situações e lugares. Acho que é um sintoma de quem mora sozinho: passar muito tempo divagando em seus próprios pensamentos. E para vocês, o que é um pensamento? Já se pegaram parados, só pensando?

Espírito de criança

Eu sempre me vangloriei disso: de ser sério e ao mesmo tempo brincalhão. De ser centrado nas minhas responsabilidades e mesmo assim curtir os bons momentos da vida com um outro olhar: um olhar de criança. Aquela inocência que nunca deveríamos perder. A inocência que nos faz acreditar nas pessoas. A inocência que nos faz ver o mundo como um lugar bom de se viver. A inocência que nos faz ser feliz com pequenas coisas do dia-a-dia.

Eu vejo as crianças andando com seus pais pelas ruas e fico pensando: o quão bom é ser criança?

Quando criança todo dia é um dia novo, não sabemos o que é tédio. Todo dia é a exploração do desconhecido. Todo dia aprendemos milhões de coisas novas. Não temos medo de nada. O mundo é nosso quintal a ser explorado.

A vida vai nos deixando menos inocente, mais triste com os fatos do dia-a-dia, menos crente na bondade das pessoas, com menos vontade de descobrir. Por isso sou muito feliz em permanecer com o meu espírito de criança e farei de tudo para não perdê-lo. Esse espírito de criança que me faz brincar, esse espírito de criança que me faz acordar sorrindo todos os dias, esse espírito de criança que me faz querer descobrir coisas novas todos os dias, esse espírito de criança.

Todos deveríamos ter esse espírito. O mundo seria mais fácil de ser vivido, mais alegre, mais feliz. Nunca perca seu espírito de criança e se não tiver ou já tiver perdido, procure-o! Você não se arrependerá de ter uma criança dentro de você.

Noites viradas

Calma gente, não virei noite indo pra farra. Há algo de mais nobre em minhas madrugadas acordado. Para quem ainda não sabe eu estou fazendo mestrado em administração de empresas na Fundação Getúlio Vargas aqui em São Paulo. E como se preza qualquer mestrado, a carga de leituras é absurdamente grande. Para dar conta de tudo a contento só se eu fosse dois (alguém aí já achou uma máquina de clonagem? Juro que to precisando de uma). Mesmo antes do mestrado eu já fazia peripécias pelas madrugadas por causa dos estudos (xiiii, ele é nerd. Sim, sou nerd!). Para manter-me acordado, tinha como recurso o Red Bull e sempre a empolgação de fazer o trabalho quando o assunto era interessante e este, por sí só, me mantinha acordado.

Confesso que a privação de sono no outro dia é de deixar louco. Menor capacidade de processamento de dados pelo cérebro e geralmente fico com dor de cabeça. MAS se eu entrar em um ritmo acelerado desde manhã cedo, nem sinto esses sintomas, continuo ligado no 220V e vou até o final do dia. Sei que isso é extremamente prejudicial a saúde física e mental, sei que se minha família ler isso vão puxar a minha orelha (minha mãe tá estudando, ao menos ela faz quase as mesmas coisas que eu), mas em certos momentos é necessário.

Após dicas de amigos, como o @Castellito, do Porão do castello, e o @NandoSantos cortei o Red Bull da rotina de noites viradas. Hoje, me mantive acordado só pelo interesse no trabalho que estava fazendo (mentira, o trabalho era chato, mas me mantive acordado sem ajuda de nada mesmo assim) e cá estou postando aqui antes das 06:00h (agendei o post para as 08:00h).

A @Crodia vai começar o seu mestrado (PARABÉNS) e já já vai descobrir pelo que estou passando.

Aos que queiram virar noites estudando, façam! É prejudicial sim, mas alguns esforços valem a pena pelos resultados que colhemos no futuro.

Almoço na Liberdade

Famoso bairro oriental da cidade de São Paulo tem seu nome oriundo dos tempos da abolição da escravidão. Conhecido antigamente como Campo da Forca, tem em seu centro a Igreja de Santa Cruz, conhecida como Igreja dos Enforcados, onde são acesas velas para as almas. Local de um dos primeiros cemitérios da capital paulista. Nas primeiras décadas do século XX começou a grande imigração de japoneses que foram tentar “ganhar a vida” na América (plantar café no interior), mas não se acostumaram ao regime de trabalho e acabaram voltando para a cidade e povoando o bairro.

Leia mais aqui: SampaArt

Mas porque dessa introdução? Minha amiga Maria Clara está indo para fora do país para continuar sua caminhada de estudos. Está indo para França para fazer seu mestrado e estou aqui desejando-lhe toda a sorte do mundo e que Deus irá iluminar muito o caminho dela para que seus objetivos sejam alcançados. Hoje, domingo, nos reunimos em um restaurante, no bairro da Liberdade, aqui em São Paulo para que pudéssemos confraternizar e comemorar mais esse sucesso na vida da nossa amiga.